Somos todos transgêneros

janeiro de 2019

por gerente

A discussão sobre minorias chegou ao horário nobre, novelas trazem toda sorte de orientação sexual e necessidade especial. Caminham juntas a essas bandeiras a questão de credo, raça e até mesmo de vícios. Vamos focar nos transgêneros. Segundo a consultoria americana McKinsey, a conclusão é que as Companhias que possuem um maior número de profissionais considerados diversos dentro do quadro geral de funcionários, são capazes de apresentar desempenho até 35% superior à média da indústria como um todo.

Mas você já parou para pensar como essas pessoas podem mudar o mundo e como essas questões mudam o mundo dos negócios?
De algum modo nosso mundo é “transgênero”, tudo se transforma, a dinâmica é alucinante, empresas que eram apenas do varejo são obrigadas a mudar sua essência e criar novas linhas de receitas.
Para onde você olha, identifica uma corporação que não é mais aquilo que a fez ser fundada. A questão do COMO vender mais, já não é confrontada todos os dias, a rapidez é tanta, que o questionamento nos planejamentos é: “O que vender? ”

Cada um de nós vai ter que lidar com um seu novo DNA, não um novo, mas um em mutação, uma  tripla hélice. Invariavelmente, pessoas podem ser consideradas “transgêneras” por orientação sexual ou, por que não, pelas atitudes de revolucionar o mundo e repensar o óbvio de uma forma diferente.
Quando pensei escrever sobre esse tema, que nos confronta tanto em internet, tv e rodas de amigos, analisei, será que é apenas uma questão de gostar de homem ou mulher? Será que em 2017 dá para definir só como homem e mulher?  Se estamos indo além em todos os campos, como limitar o que uma pessoa gosta, sente ou quer?
A história da humanidade traduz essa vontade!

As principais guerras foram baseadas em liberdade, o ser humano trabalha até 50 horas numa semana para ter liberdade de comer o prato que quer, viajar para onde deseja ou morar onde sonha.
Leve esse conceito para a vida, para seu negócio, esqueça seus dogmas, você alugava filmes na locadora e ligava para o rádio taxi. Se revolucionamos setores da economia, como vamos limitar o que cada ser humano quer ser? Somos essencialmente “transhumanos”, transgêneros que buscam sempre novos sentimentos, desafios e conquistas, isso é muito mais do que uma simples orientação sexual, é o que norteia toda a existência da vida na terra, a liberdade.

 

Versão Impressa

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo