Rodrigo Cavaca: Um atleta exemplar.

agosto de 2016

por gerente

 

É só dar um Google no nome de  Rodrigo Cavaca e lá aparece mais de 53.000 publicações relacionadas a este atleta de jiu jitsu renomado mundialmente.

Vou começar pelo currículo peso pesado de Cavaca: Tetra Campeão Mundial; Bi Campeão Brasileiro, Bi Campeão Europeu, Vice Campeão Panamericano, entre diversos outros títulos que recebeu ao longo da carreira de dezesseis anos no esporte. Cavaca começou tarde, aos 19 anos de idade iniciou a carreira de lutador por curiosidade quando um amigo o chamou para fazer uma aula experimental e nunca mais parou.Formado em arquitetura, Cavaca costumava praticar outros esportes  quando era criança, como futebol, natação e basquete, mas foi no jiu jitsu que encontrou paixão e se dedicou 100% para os treinos.
 

“Comecei tarde no esporte, mas quando venci minha primeira competição regional no ginásio do Rebouças percebi que tinha potencial e a adrenalina começou a tomar conta de mim”, disse o atleta.

Segundo ele, o começo foi mais difícil para conseguir patrocinadores e apoio, mas ele tem muita gratidão a uma pessoa em especial:

“No começo, eu tinha que me virar. Meus pais não tinham muitas condições. Uma pessoa que me ajudou muito no início foi o veterinário Celso Filetti, pessoa qual sempre serei grato, pois ninguém ajuda um atleta de esporte amador, ainda mais sendo um atleta sem renome algum”.

Cavaca conta ainda que teve que abdicar de muitas coisas na adolescência para se dedicar aos treinos rígidos e as dietas para manter os pesos exigidos da modalidade.

 “Tive que abdicar de muitas coisas quando era adolescente: Festas, finais de semana, viagens, mas no final, tudo valeu a pena”, diz Cavaca.

Em 2005 quando Cavaca recebeu a faixa preta, foi chamado para dar aula em uma academia, então passou a ser professor e depois decidiu abrir sua própria academia de jiu jitsu. Hoje ministra as aulas em uma universidade de Santos, na qual fez parceria com a sua academia.

E, deve ter valido a pena mesmo. Hoje, Cavaca se mantém há 12 anos entre os melhores do mundo e tem aproximadamente 8.000 alunos dividos em 200 filiais no mundo todo! Além de já ter treinado atletas de renome do jiu jitsu e do MMA como Marcus Buchecha, Vitor Belfort, Cezar Mutante, Gilbert Durinho, e por aí vai.    

Cavaca conseguiu realizar o sonho de qualquer atleta. Dá aulas, e continua treinando para campetições importantes.

    Competições que já estão agendadas e que Cavaca continua treinando arduamente para trazer mais títulos para o Brasil, como: Campeonato europeu em Portugal, em janeiro de 2017, Panamericano na California, World Pro em Abu Dhabi e o campeonato Mundial na California.

Em 2013, no campeonato mundial que Cavaca levou o título aconteceu um fato inusitado, ele e seu aluno Buchecha disputaram o título na categoria Pesadíssimo. Isso nunca tinha acontecido anteriormente no Jiu Jitsu:

“Foi engraçado, quando chegamos na final, era eu e meu aluno na luta, mas deu tudo certo, professor e aluno disputando uma final foi a primeira vez que isso aconteceu”, relembra o atleta.

Mas, nem sempre o caminho de Cavaca foi fácil, quando perguntei sobre o preconceito no esporte, o atleta revelou já ter sofrido algumas discriminações de pessoas que não entendiam muito bem que o jiu jitsu não é um esporte que faz apologia á violência.

“Uma vez fui em uma empresa pedir patrocínio, então, a pessoa que me recebeu perguntou qual era minha profissão e eu respondi que era lutador, ele insistiu e perguntou novamente com o que eu trabalhava, eu voltei a dizer que era atleta de Jiu Jitsu. Ao invés de patrocínio ele me ofereceu um emprego, como se o que eu fizesse não fosse nada. Mas como o mundo dá voltas, essa pessoa hoje anda pela cidade falando que me conhece e faz questão de citar meu nome”.

Esse tipo de dificuldade, Cavaca considera que acontece em todo o Brasil, e na maioria das modalidades:
“Quando um atleta não é conhecido, é muito dificil ele conseguir suporte financeiro, mas depois que passa a ser renomado, como no caso de atletas que participaram das Olímpiadas no Rio, as oportunidades acabam surgindo”.

No entanto, garante que Santos é uma cidade privilegiada para os atletas e que ele tem muito carinho:

“Santos é uma cidade maravilhosa, nasci aqui, conheço todo mundo, viajo o mundo todo e sempre tenho vontade de voltar logo para casa. Tenho muitos amigos que sempre me ajudaram e continuam ajudando, como o

Diego dos restaurantes D’Boa, M&C Marmoraria, Carduz importadora, Muscle Pharm Brasil, Unimes, Seagaia Mitsubishi e ZKM, Grandir Seguros”.
Na vida pessoal, Cavaca tem uma vida pacata, casado desde o começo de 2016, com Juliana, ele coloca na entrevista que seu plano para o futuro é ‘ser feliz ao lado da minha família e dar a eles todo o suporte e amor do mundo”.

Hoje Cavaca vive com Juliana e seu enteado de 2 anos meio de idade, e quando a Zerotreze entrou em contato com Juliana para dar uma declaração, foi só alegria:

“Rodrigo tem uma vida super corrida, sempre com viagens para cuidar das filiais da equipe e competições, mas sempre que está em Santos ele se divide entre aulas na academia, treinos e seus projetos. Mesmo assim consegue ser um marido super atencioso e sempre está preocupado com o bem estar da nossa familia”, declara a esposa, e continua:

 “Ele é total do bem  e sempre ajuda as pessoas. Para ele nunca tem tempo ruim. Entre diversas ligações que recebe, ele sempre está disposto aos que ligam pedindo ajuda com o esporte. Na mesma hora ele larga tudo o que está fazendo e corre atrás até conseguir o que as pessoas lhe pedem.  Ele é dedicado em tudo que faz, um ser humano incrível. Tenho muito orgulho dele, principalmente pelo exemplo de homem que é dentro de casa, e por ser esse profissional e atleta que serve de espelho para muitas gerações no esporte”.

E quando pergunto sobre a vida de atleta, Juliana conclui:

“Durante os treinos para as competições ele parece uma máquina. Mantém a alimentação regrada e a suplementação na risca, tudo para fazer um excelente campeonato, até mesmo quando não vai para lutar, procura estar sempre presente e apoiar seus alunos e amigos, como sempre diz gritando, ensinando, torcendo e ajudando cada um deles a alcançar seus objetivos e se superar cada vez mais. Ele é incrível! finaliza a esposa.

Cavaca mostra que na vida e no esporte, é preciso muita luta, e pelo visto, nesse aspecto, ele é peso pesado.

 

 

 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo