Olha o Mate!!

janeiro de 2016

por Evelyn Cheida

Marquinho do Mate, figurinha tarimbada da praia do Canal 3, largou a rotina de funcionário de marketing há 20 anos para viver uma vida que muitos desejam. Trabalhar com os pés na areia. A escolha deu tão certo, que hoje tem quatro carrinhos e chega a vender mil copos de mate por dia no verão

Vindo do Rio de Janeiro, o chá mate desembarcou em Santos em meados de 1960 e rapidinho se tornou o drink preferido nas areias da região. Diferente de todas as bebidas comercializadas na praia, o mate conseguiu ganhar seu espaço conquistando cada vez mais os santistas. Tendo como companheiro o inigualável suco de abacaxi, se criou o hábito de pedir a bebida meio a meio, com opção de adicionar limão. Nada mais refrescante no verão!

Não se pode falar em mate sem comentar a história do velho Paraná, um personagem bem conhecido na praia do Boqueirão, pioneiro nas areias de Santos. “O Paraná construiu sua vida trabalhando com o produto por 50 anos. Viveu e manteve sua família através do mate. Foi precursor nas areias. Deixou as praias em 2006, quando manifestou o Mal de Alzheimer. Infelizmente faleceu em 2010. Uma triste perda para os santistas”, lamenta Marco Valencia, o famoso Marquinho do Mate. “O negócio acabou dando muito mais certo aqui do que em seu lugar de origem, pois a areia do Rio de Janeiro é muito fofa, o que dificultava o trabalho com aquele carrinho pesado de fibra de vidro. Deu certo em Santos, pois aqui a areia é dura, facilitando muito o trabalho do ambulante”, comenta.

 Em 1996 Marquinho entrou no mercado, dando continuidade à tradição. Mas foi obra do acaso.  “Um amigo que estava me devendo uma grana me ofereceu um carrinho de mate como pagamento. Aceitei pensando em vendê-lo rapidamente. Mas tudo mudou quando meu tio me deu a ideia de trabalhar unindo o útil ao agradável”, relata. Este carrinho hoje já tem 57 anos de idade. Ele conta que no primeiro dia de trabalho, ainda sem licença e sem saber preparar o mate direito, já ganhou três vezes o valor que ganhava em seu emprego.

Prestes a completar 20 anos de venda do produto na praia, Marquinho do Mate faz um comparativo pessoal com a sua educação profissional - é formado em Administração e Marketing - e sua atuação na areia. “Não troco a profissão que exerço por nada, pois nessa posição descobrem-se histórias e relatos das pessoas e da cidade. Impressionante como o produto consegue mexer com os sentimentos das pessoas”, revela.

 “Alguns santistas que não moram mais aqui aguardam os fins de semana e feriados na intenção de saborear o mate, tendo recordações de sua infância. Vão embora com a satisfação de dever cumprido”. O mate é mesmo parada obrigatória na praia! Principalmente nos dias mais quentes.

Sucesso

O negócio do Marquinho é sucesso absoluto na praia. As pessoas fazem fila, mesmo em fins de semana normais. Ele chega a vender 500 copos de mate e 100 potes de açaí por dia. “O Mate da Barra, além de ser uma empresa familiar, conta com três funcionários fixos, que manipulam todos os produtos comercializados na minha fábrica, desde o chá, o abacaxi, o açaí e o tradicional bolo integral de banana. Tudo fabricação própria, que abastece três pontos de vendas espalhados pela praia e um na calçada”.

Em dias de inverno e chuva pode vender apenas cinco copos, mas continua firme e forte. Marquinho desenvolveu receitas exclusivas e passou também a distribuir seu açaí. “Bolei a receita junto com o fabricante. Meu açaí é diferenciado, demora mais para derreter e não é tão doce, considero a receita ideal”, avalia.

Um empresário completo. Fabricante, distribuidor e vendedor. Pioneiro em vender açaí na areia e no asfalto. O trabalho na fábrica é minucioso com as receitas desenvolvidas por ele do bolo, do açaí. O gelo e o suco de abacaxi natural são feitos com água filtrada. “Resolvi acrescentar ao chá mate o açaí e o xarope de guaraná, dando um up no produto, misturando o tradicional ao moderno. A mistura é energética e saborosa. A inovação foi aceita por todos. A bebida é bem-vinda antes ou depois da prática de exercícios por ser hidratante, energética e natural”, garante.

Marquinho comenta que muitas pessoas têm preconceito com quem trabalha na praia. “É como se aquele trabalho não tivesse valor. Como se fosse menos do que outras profissões. Lembro que a primeira vez que empurrei o carrinho me senti um pouco envergonhado, afinal eu tinha diploma e tinha um pouco de receio do que meus amigos iriam pensar. Só que não há ninguém mais empresário do que o pequeno empreendedor, ele cuida de tudo sozinho. Compras, manuseio, preparo, carregamento, transporte, fluxo de caixa, atendimento, etc. O microempreendedor é um guerreiro que precisa ser valorizado”.

Além de seus produtos com receitas exclusivas, o segredo de seu sucesso é o carisma. Foi difícil entrevistar o Marquinho, pois o tempo todo vinha alguém cumprimentá-lo com muita alegria. O atendimento diferenciado é, sem dúvida, a alma de seu negócio. “A gente conversa sobre tudo, às vezes parece até que sou psicólogo. É muito legal como as pessoas acabam se abrindo”, revela.

Ele teve restaurantes, mas fechou porque percebeu que o negócio não era rentável. “Na praia o investimento é menor e o retorno é excelente. E ainda tenho a alegria de poder conciliar com o esporte”.

 

Novos voos

Marquinho vai se candidatar a vereador no ano que vem. “Quero ajudar o pequeno empreendedor, pois são eles que movimentam a economia. Não existe mais ambulante e sim pequeno empresário. Falta recurso, orientação, apoio, linhas de crédito. A prefeitura precisa parar de dificultar, regulamentar sim, mas sem burocratizar, tem que deixar o povo trabalhar. O atendimento ao turista também pode melhorar muito. Essas são as bandeiras que pretendo defender”, avisa.

Projeto Social

Além do foco em alimentação, Marquinho também aluga pranchas de stand up na praia e está com um projeto para pessoas da terceira idade, das 8h às 9h30. O idoso pode agendar aulas nesse horário para aprender a surfar gratuitamente.

Se ainda não conhece as delícias do Marquinho, experimente:

 

Mate da Barra

Praia do Joinville - Canal 3 - Santos, na calçada e na areia.
O carrinho do calçadão funciona até às 23h.
Peça pelo delivery:
XXXXXX

 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo