Rússia

outubro de 2017

por gerente

Por Bruna Pavanato Fotos: Arquivo Pessoal

ZT Pelo Mundo

Matéria referente a Março - Abril - Maio - 2017

Preparem os casacos, porque o Vinícius Boscolo vai nos levar para um dos lugares mais frios do planeta. reparem os casacos, porque o Vinícius Boscolo vai nos levar para um dos lugares mais frios do planeta. Sim, de fato faz muito frio na Rússia, mas apesar de ser colada com a Sibéria, o país do extraordinário escritor Fiodor Dostoievsky, está longe de ser apenas neve e calmaria.  Começou com nobres guerreiros vikings até se tornar um dos maiores impérios do mundo. Sobreviveu a inúmeras guerras, sempre desempenhando papéis decisivos. É o maior país do mundo, ocupando 1/9 da área terrestre. Sua área é de 17.075.400, o dobro da brasileira. Ela domina metade da Europa e 1/3 do continente asiático. Moscou, sua capital é uma das cidades com maior número de bilionários do mundo. E a vodka, bom, esse fato você já sabia, não é? Mas isso foi apenas um modesto resumo. Quem vai nos contar mais sobre a Rússia, será o  santista de 31 anos, Vinícius Boscolo, um grande apreciador de aventuras. Antes de se mudar para lá, ele trabalhava como engenheiro civil e também era instrutor voluntário na Unidade de Treinamento de Selva - UTS, um grupo formado por militares oriundos do quadro de reserva das forças armadas, que se reagruparam com interesses na manutenção e aprimoramento dos conhecimentos e técnicas vivenciados na caserna, com o intuito transmitir esses conhecimentos e experiências através de treinamentos, cursos e palestras para profissionais da aviação civil, agentes de segurança pública e afins. "O que me motivou a vir para Rússia, foi necessidade constante que tenho da adversidade, a necessidade de novos desafios. Apesar de me formar em engenharia civil no Brasil, sempre me interessei pela área médica, especificamente a de emergências, regaste em locais naturalmente  hostis e de difícil acesso, e agora estou aqui, estudando na Faculdade Federal de Medicina de Vladivostok , conta." Ele é solteiro, não tem filhos e logo logo será doutor. Atualmente mora na cidade de Belgorod, próxima a cidade de Kursk, que foi palco da maior batalha de blindados na Segunda Guerra Mundial. No Brasil a minha rotina era bem diferente. Trabalhava como engenheiro fiscalizando obras no Amazonas, Pará e no sertão de Alagoas, e nos momentos que não estava trabalhando me dedicava a atividades físicas e esportes radicais, paraquedismo, scuba diving, rapel, tiro esportivo, ultra maratonas entre outro. Aqui, além de estudar tenho a oportunidade de me aprimorar no skydive fazendo vôos indoor em túnel de vento com custo muito mais acessível do que no Brasil ou até mesmo EUA. Consigo praticar tiro esportivo e de precisão sem a burocracia brasileira e por um décimo do que gastaria no Brasil", compara Atualmente ele está se preparando para realizar, no próximo inverno, um curso de sobrevivência no gelo ministrado por ex militares russos na Sibéria.“Espero sobreviver”, brinca. Atualmente ele está se preparando para realizar, no próximo inverno, um curso de sobrevivência no gelo ministrado por ex militares russos na Sibéria.“Espero sobreviver”, brinca. Sobre a adaptação, ele a afirma que a cultura é completamente diferente, a começar pelo idioma. A escrita utiliza caracteres em cirílico, um alfabeto que também é empregue por algumas línguas eslavas. "Apesar de ser tão diferente, a pronuncia de muitas palavras são bem parecidas com nosso idioma tupi-niquim. Eu estou aprendo russo na própria faculdade, junto de diversas outras matérias ministradas em russo. É como toda língua nova, você acaba se acostumando", completa. Você acha os russos sisudos? Acha o presidente Vladimir Putin com cara de poucos amigos? Pois a explicação é cultural. Eles não costumam sorrir para quem não é amigo, e muito menos em ocasiões formais.Você acha os russos sisudos? Acha o presidente Vladimir Putin com cara de poucos amigos? Pois a explicação é cultural. Eles não costumam sorrir para quem não é amigo, e muito menos em ocasiões formais. "Os russos, a primeira vista se demonstram fechados, o próprio idioma tem uma entonação grossa por natureza, então para nos latinos parece que estão sendo grosseiros, mas com o tempo, conhecendo e tendo um pouco de intimidade vemos que não é bem assim", garante. Com relação ao clima, Vinícius comenta que o inverno é bem rigoroso e as temperaturas chegam facilmente a -40 graus célsius. "O segredo é utilizar vestimentas adequadas, e não subestimar o frio. Nas primeiras semanas do inverno presenciei a policia recolhendo um cadáver de um homem que faleceu de hipotermia por estar embriagado, aqui também já houve casos fatais com brasileiros, que ao andarem sobre um rio congelado, o gelo se rompeu e ao sair da água não teve tempo suficiente de se aquecer. É só não fazer nenhuma besteira", ressalta. E a qualidade de vida? De acordo com ele, viver com o dinheiro estrangeiro, ela se torna razoável. Mesmo com dólar e o euro sendo valorizados em relação ao real, o rublo ainda é desvalorizado, como diversas outras moedas do leste europeu, exemplo: Grívnia, da Ucrânia. E a qualidade de vida? De acordo com ele, viver com o dinheiro estrangeiro, ela se torna razoável. Mesmo com dólar e o euro sendo valorizados em relação ao real, o rublo ainda é desvalorizado, como diversas outras moedas do leste europeu, exemplo: Grívnia, da Ucrânia. "Consequentemente isso reflete nos salários russos. Essa desvalorização acaba sendo proporcional, pois um professor universitário aqui,  recebe em media 16.000 рублей, o que equivale a aproximadamenteR$ 900,00", afirma. É claro que quando pensamos em Rússia, lembramos rapidamente do Ballet Bolshoi, dos Romanoffs, Leon Tolstoi, entre outros nomes e locais que repercutiram de forma mundial ao longo dos anos. Mas a curiosidades são inúmeras, assim como as memórias.mundial ao longo dos anos. Mas a curiosidades são inúmeras, assim como as memórias. A Rússia possui uma cultura incrível, além de muitas histórias. Venceu os Nazistas na Segunda Guerra e Napoleão na Invasão Francesa. Eles tem um respeito muito grande com os soldados que perderam a vida protegendo seu país. No Brasil, aprendemos na escola, a história da segunda G.M., da invasão francesa, entre outras de outros países. Aqui,  os russos aprendem a história que eles chamam de guerra patriótica. Então, por quase todas as cidades que você anda, você vai acabar encontrando um monumento com flores em homenagens aos heróis russos e soviéticos, assim como museus com acervos riquíssimos, e dentro deles, vai encontrar russos emocionados, em respeito a perda de algum parente próximo durante esses conflitos. Ah, e aqui na Rússia o Natal é comemorado em 7 de janeiro, uma semana depois do Ano novo", complementa. "Aqui há muitos lugares para se conhecer e todos eles envolvem muitos relatos. A praça vermelha e o Kremlin são paradas obrigatórias para quem vem a Rússia, considero como meus favoritos. Há belíssimas cidades, são Petersburgo, Kaliningrado, Minsk, Belgorod e inúmeras outras que podemos passar dias contemplando e conhecendo coisas novas , conclui. são Petersburgo, Kaliningrado, Minsk, Belgorod e inúmeras outras que podemos passar dias contemplando e conhecendo coisas novas", conclui. Quando perguntamos para o futuro médico, o que ele falaria para quem está planejando morar ou visita por lá, essa foi a resposta: "Penso que não adianta conhecermos lugares incríveis somente pela televisão, por fotos ou por  livros, se você tem interesse em qualquer nível que seja por alguma cultura ou lugar, você tem que ir pessoalmente conhecer, só assim você vai ter boas percepções e experiências, poder sentir a energia, o cheiro, o comportamento, e virar parte da história", finaliza. E aí, arriscaria uma vida por lá ou iria apenas curtir férias temporárias? Se quiser acompanhar as aventuras do Vinícius, é só acessar www.viniciusboscolo.com.br e segui-lo nas redes sociais! @engboscolo

Versão Impressa

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo